DEPOIS DO FIM COM HEWITT

f98c6-odiaemqueatireinocupido1

SINOPSE:  
Jennifer Love Hewitt revela neste livro sua sabedoria em relacionamentos obtida a duras penas e nos ensina como abraçar o amor com os dois pés no chão. Primeiro, temos que parar de acreditar no Cupido, e crer que o tradicional “felizes-para-sempre” não é uma meta fácil de atingir. De forma lúcida, irônica e honesta, ela nos conta como escolher o cara certo e dispensar os “errados”; além de narrar algumas verdades sobre o sexo oposto e listar dicas do que fazer após um rompimento, como se comportar antes de um encontro, os perigos dos namoros virtuais, e muito mais, usando sempre suas histórias como exemplos das experiências estranhas, engraçadas, loucas e gloriosas que vivemos em nossas relações amorosas.

Depois de vários amores rompidos, sofrimentos e tudo mais que todas nós mulheres temos, Jennifer criou coragem de escrever e contar as suas experiências, e dá algumas dicas de “O QUE FAZER?” depois de um rompimento:

1. Escutar Jagged Little Pill (Alanis Morissette)
2. Comer chocolate, mas só durante 48 horas ( Ops, as minhas duram mais. =x )
3. Sair da cama, preferivelmente dentro de 72 horas
4. Sair de casa (mas lembre-se: é melhor você tomar uma ducha antes para que seus amigos a reconheçam)
5. Falar sobre outras coisas
6. Fazer ioga
7. Apagar o número do telefone dele
8. Mudar o número do seu celular (Não mudei o meu..)
9. Beijar alguém que você acabou de conhecer (mas ele precisa ser lindo de morrer, senão você vai se sentir ainda pior)
10. Comprar uma roupa nova
11. Mudar o corte de cabelo
12. Ligar para aquele gato no qual você sempre pensava
13. Parar de passar pela casa dele (nada de persegui-lo feito a mulher do Atração Fatal)
14. Deletar o ex do seu Facebook
15. Não se arrepender
16. Não assistir a comédias românticas
17. Fazer algo radical (que você normalmente não faria)
18. Não ir aos lugares que eram importantes para vocês dois
19. Suportar um dia de cada vez (todos nós precisamos suportar o fardo de cada dia, a vida é assim)
20. Saiba que não vai morrer (você precisa ficar neste mundo para ele ver o erro que cometeu)

Esse livro no mínimo, você dá boas risadas … falarei um pouco mais, em outro post! Ótima quarta lindões!

bedo1

Anúncios

O IRMÃO ALEMÃO

Aos 22 anos Chico Buarque descobriu que tinha um irmão alemão. Sergio Buarque de Holanda, reputado historiador e crítico literário, pai de Chico, vivera na Alemanha entre 1929 e 1930, enquanto correspondente de um jornal. A efervescente Berlim dos anos 30 serviu de cenário a um romance com uma mulher alemã, de quem teve um filho que nunca chegou a conhecer. Chamava-se Sérgio Ernst. Quase cinco décadas depois da descoberta, Chico Buarque decidiu fazer da existência desse irmão – e do silêncio em torno dele –a matéria do seu próximo romance. Mas antes precisava de saber exatamente o que lhe acontecera. Dessa busca nasce este romance. Magistralmente conduzida por um narrador obsessivo, delirante, megalômano e profundamente solitário sem o querer ser, a narrativa enreda o leitor numa trama em que realidade e devaneio se confundem permanentemente. A páginas tantas, a busca de narrador e autor passa a pertencer igualmente ao leitor, também ele desesperadamente procurando esse irmão desconhecido.

Em “O Irmão Alemão”, Chico Buarque mistura fantasia e realidade para contar a história da descoberta da existência de um meio-irmão alemão. Mas, mais do que isso, o livro trata das relações familiares e da busca para recuperar, de alguma forma, tudo aquilo que se perde com o tempo.

Uma coisa que constato toda vez que leio uma obra de Chico é o dom que ele tem de fazer poesia com o uso da prosa. Isso acontece nesse romance, tornando bela, profunda e triste uma simples história.

Continue lendo “O IRMÃO ALEMÃO”

Bom Dia Amor

Por favor, não me analise
Não fique procurando cada ponto fraco meu
Se ninguém resiste a uma análise profunda, quanto mais eu!
Ciumenta, exigente, insegura, carente toda cheia de marcas que a vida deixou: Veja em cada exigência um grito de carência, um pedido de amor! Amor, amor é síntese, uma integração de dados: não há que tirar nem pôr. Não me corte em fatias, (ninguém abraça um pedaço), me envolva todo em seus braços
E eu serei perfeita, amor!
Do livro Bom dia amor!, 1990


Mirthes Mathias

Imagem: Desenho a Lapis